Dar aula: a porta de entrada para reflexões mais pesadas

Por Eduardo Brunetto*


Mesmo estando aqui hoje, escrevendo pra este blog que aborda o ensino de publicidade, pensar nesse tema nunca foi uma prioridade pra mim. Como eu não acho que seja pra muitos jovens que estão na faculdade, mais preocupados com seus projetos pessoais, sonhos e por aí vai. Mas, aos poucos, tendo contato com o grupo de pesquisa IEP e depois no meu TCC, acabei conhecendo mais sobre o universo do ensino. Uma vez experimentado, abriu minha cabeça pra um caminho sem volta.


Eu sempre gostei de cinema, roteiros, histórias e essas coisas. E resolvi fazer o meu TCC sobre como utilizar técnicas de roteiro para melhorar o ensino de redação e criação publicitária. Assim, eu já mataria dois coelhos com um objeto de estudo só: estudaria roteiro, que é o que eu gosto e terminaria o meu TCC. Tudo muito lindo e agradável até que o meu professor orientador na UFPR, Fábio Hansen, me deu o desafio de testar minhas hipóteses em um experimento em sala de aula.


Uma coisa é dar seminários obrigatórios nas disciplinas que temos na faculdade, onde o tema da aula às vezes te interessa muito menos do que o cardápio do dia do RU. Outra coisa é falar sobre algo de que você gosta, acredita e quer passar adiante. E aí, como ensinar? Como passar o que está claro na sua cabeça pra alguém que, supostamente, não se importa com aquilo? É aí, meus caros, que ensinar se torna aprender.


Imagem meramente ilustrativa.

Ensinar é um processo de autoconhecimento. É compreender as ligações que você faz na sua cabeça pra conseguir chegar a uma conclusão. Você primeiro precisa aprender o que você sabe. Como o meu conhecimento se construiu? Como você chegou nas conclusões que tem hoje? E depois dessa autorreflexão, pensar em como traduzir isso tudo pra alguém. Qual é a melhor forma de atingir o outro? De captar sua atenção? Motivá-lo a te ouvir? E no fim das contas, não é isso que a comunicação deve fazer? Captar e manter a atenção das pessoas? Dar aula também te ensina a ser um melhor comunicador.


No caso do meu TCC, o resultado dessa reflexão foi um paradigma de ensino. Um paradigma é uma estrutura padrão. Esse paradigma em questão mostra uma maneira de como utilizar um conhecimento de outra área para ensinar publicidade. Na imagem

abaixo você pode vê-lo.







Unindo as experiências que tive nas aulas, os estudos sobre ensino e educação e também analisando meu próprio processo de aprendizagem, formulei esse paradigma. Percebi a importância da palavra “processo”, como precisamos de etapas para nos guiar, tanto como estudantes quanto professores. Como isso nos ajuda a ter uma visão do todo, de como testar coisas novas, mensurar resultados e saber pra onde estamos indo.


Existe um processo para criar um personagem. Primeiro, pensar na biografia, depois questão privadas, profissionais e sociais do personagem. Então vem a personalidade, ponto de vista e atitude. O processo é um guia, não uma regra. Não impede a reflexão, improviso e inventividade. Essas coisas fazem parte dele. E será que o ensino de criação também não pode ter processos para guiá-lo a ser mais criativo?


Estar em contato com a experiência de ensinar (ou de pelo menos tentar) me fez compreender um pouco melhor o meu próprio pensamento. E também, como é importante sair da minha cabeça pra me preocupar com o outro. Pensar como o outro, falar na língua dele e se fazer entender. Coloquei isso em um processo de ensino pra gente testar, modificar e aprimorar.


A ideia é que esse processo de aperfeiçoamento nunca pare. Porque como eu disse, é um caminho sem volta. E recomendo que você experimente. Se quiser saber mais sobre meu TCC (“Técnicas de criação de personagem e diálogo no ensino de publicidade: mais sensibilidade, criticidade e autonomia”) e como foi todo esse processo, aqui está o link: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/56512


_______________________________

*Eduardo Brunetto é formado em Publicidade e Propaganda pela UFPR. Redator, se diz roteirista, produtor de conteúdo e um grande interessado em entender por que estamos aqui, o que viemos fazer e em como comunicar nossas teses e ideias uns para os outros. E-mail: eduardo96brunetto@gmail.com

74 visualizações